lundi 30 mars 2009

Du rouge aux lèvres - Haïjins japonaises (Éd. La Table Ronde)

Sans hésitation,
je coupe une pivoine
dans le vent violent.

Les lèvres mouillées
du jus de pêche blanche,
je ris.

J'arrose,
pensant pouvoir
vivre encore.

Toshiko Tonomura (1908-2000)

Sem hesitar,
corto uma piónia
no vento violento.

Os lábios molhados
do sumo de pêssego branco,
rio.

Rego,
pensando poder
ainda viver.

2 commentaires:

Dinis Lapa a dit…

Há, nos japoneses, uma alegria de viver nas pequenas coisas, que eu respeito, que eu admiro em, por exemplo, Alberto Caeiro. Mas é querer ter Fé e não a ter. É isso que me dói.

ma grande folle de soeur a dit…

Explana melhor essa do "é querer ter fé e não a ter" ... n sei se entendi o q queres dizer. :)