dimanche 18 août 2019

Fait divers


Dona Aurora acaba de passar por mim na rua principal da aldeia, de xaile, lenço e vestido negros, arrastando-se como um fantasma mirrado, de olhar vazio.
Na semana passada, o lugarejo foi abalado pelo fait divers mais recente, que ainda não deixou de assombrar as conversas dos aldeões que se reúnem, ao cair da tarde, no café improvisado pelos mordomos deste ano,  na antiga escola primária.
Anselmo, vinte e seis anos de idade, filho da terra e da D. Aurora foi a enterrar há dias. Ó Destino miserável clamam em uníssono! Ó tragédia infame!  
Na propriedade onde o rapaz passara o dia a enfardar feno, dizem, ainda existem vestígios da poça de sangue que ensopou a terra, nutrida do seu corpo triturado. Os três ajudantes que havia recrutado, alegadamente, haviam desligado a máquina assim que deram conta do seu desaparecimento. Do pobre rapaz despedaçado só restou inteiro um ténis, com os atacadores deslaçados.
Conjecturas houve. Que o rapaz era meio alcoólico e desleixado. Que também se drogava. Que os rapazes que empregava eram uns larápios e drogados da pior espécie. Que ele próprio já afirmara que eram perigosos quando lhes faltava o dinheiro para a droga.
Seguiu-se a investigação criminal. Factos foram apurados e de repente, a narrativa mudou de figura e deslindou-se a maquinação. Anselmo fora afinal alvo de um complot abominável.
Os três da vida airosa precisavam de dinheiro para a dose. Anselmo recebera nessa manhã quinhentos euros que metera na carteira defronte dos meliantes, aspirantes a homicidas. Os quinhentos euros foram encontrados na carteira dum deles. Tudo indica que o Anselmo fora atirado para a enfardadora. A tragédia foi qualificada de homicídio com premeditação. Fait divers hediondo.



sur la plage blanche
j'allonge
les jambes


in haikus du bord de mer


esta manhã
a maresia cheira
a nevoeiro

vendredi 26 juillet 2019

J'ai appris par coeur
le contour de ta tête
juste avant ton départ

jeudi 25 juillet 2019

Mes lèvres impatientes
ont soif de toi
comme de la pluie

dimanche 30 juin 2019

A bright fierce moon is shining
and pouring a metallic brilliance
onto the sea.
The sky is a clear blackish blue.
The abondant light of this rubicond sphere
casts strong and thick shadows
of quiet rocks and trees,
entertaining the earth
and animating the land.

The silence is vast!

Herbert Bayer, 1963